Uma carta pra você

Eu não consigo de fato explicar o que eu sinto por você e também não sei nem explicar o que eu senti a primeira vez que te vi. Foi como se eu visse um flash de tudo aquilo que a gente poderia viver, mas ainda não vivíamos, por que, na realidade, nós nem nos conhecíamos.

Decidi que iria resolver isso e me aproximar de você, adicionei no Facebook e nada. Depois de algumas tentativas e uma festa de república, você enfim aceitou. Mas dai eu já havia descoberto que você estava namorando – da pior forma – e como diria Maísa, meu mundo caiu.

Na verdade, eu queria te dizer tudo isso pessoalmente, mas não posso, você namora. Penso todo dia que é muita mancada da minha parte querer que você termine seu relacionamento pra ficar comigo, o que seria algo um tanto quanto utópico, já que você nunca demonstrou algum interesse em mim. É tudo minhoca da minha cabecinha sonhadora.

Eu também estou com alguém, estou feliz e de certa forma, bem realizado. Mas é impossível não imaginar que com você as coisas poderiam ser bem diferentes.

Fico fantasiando na minha mente as inúmeras coisas que poderíamos fazer juntos. Imagino como seriam nossas idas ao cinema, nossas saídas em festas, nossos jantares na casa de amigos e até as nossas briguinhas e discussões bobas que sempre iriam acabar com um beijo roubado – por mim.

Já me peguei pensando no nosso dia-a-dia e em como eu poderia te ajudar na sua monografia da faculdade e você me ajudar a decidir a melhor maneira de diagramar um material para o trabalho.

Imagino nós dois nos falando pelo telefone e marcando de nos encontrar numa sexta a noite pra comer algo e depois ir pra minha casa, ou pra sua, pra nos aquecermos um no corpo do outro.

Pensar em você assim é ruim pra mim, é frustrante. É masoquista! Por que mais que eu pense, por mais que eu queira, não vai acontecer ou melhor, não está acontecendo. Essa relação não está no gerúndio e sim no futuro do pretérito, e pode ser que ela nunca venha a se concretizar.

Fora isso, tenho dois medos principais em relação a você:

1) você pode simplesmente nunca estar disponível pra mim, nunca olhar pra mim ou ainda se casar e aí, vou te perder pra sempre.

2) eu imagino tanto e crio tanta expectiva que quando acontecer – se é que vai acontecer – posso descobrir que você não é tão príncipe encantado assim.

Acontece.

Não sei nem se você vai ler esse texto, ou se eu vou querer que você leia. Pra dizer a verdade, não sei nem se quero publicá-lo. Algumas coisas que escrevo eu guardo só pra mim. Se ele foi publicado, saiba que travei uma grande guerra interna pra que isso acontecesse.

De qualquer forma, você sendo meu ou não, eu quero que você seja muito feliz – de preferência comigo. Quero que você encontre o pote de ouro no fim do arco-íris e que o divida com quem realmente importa pra você. E eu? Eu vou continuar na minha busca pelo cavaleiro do cavalo branco.

Anúncios

Sobre The Silly

Um perfeito reclamão, extremamente afobado e muito desastrado. Quero tudo e quero agora. Comunicador por formação e por paixão. Brasileiro com passaporte turquesa. Ouço todo tipo de música, mas é com o bom e velho pop/rock que eu me entendo bem. Adoro comer e não vivo sem chocolate. Canceriano clichê e romântico fundo de quintal. Leio muito e coleciono toys. Morro com barbas por fazer (de preferência clarinhas). Harrymaníaco incurável.

Publicado em fevereiro 13, 2012, em Pensamentos, The Silly. Adicione o link aos favoritos. 15 Comentários.

  1. Nossa, eu parei aqui pra pensar no que acontece na minha vida e nos meus pensamentos…

  2. Lindo. Lindo. Simplesmente lindo. Me lembrou da época em que eu tinha esses sentimentos e me deu vontade de voltar a ser aquela pessoa…

  3. Gente, que lindo! Acho que todo mundo tem essa coisa idealizada, no fundo, é inevitável no processo de ser feliz (rs). E sonhar não mata, né? Se virar decepcão, só tá ensinando a viver.

  4. Realmente, um texto lindíssimo. Você disse tudo o que sinto nesse momento e não há nada que possa fazer pra resolver tal incógnita. Estou inspirado, mas sem seu amor…
    (Não sei se posso, mas deixo aqui um texto meu: http://www.recantodasletras.com.br/cartas/3495493 e esse outro que também é meu: http://www.recantodasletras.com.br/pensamentos/3491195
    Se alguém chegar a ler, espero que goste ou se identifique.
    E Parabéns ao autor desse texto e ao Blog!

  5. Olha, eu comecei a ler seu texto e cheguei a debruçar na mesma para fazer uma leitura bem pausada porque estou vivendo a mesma situação – a única diferença é que eu sou uma menina e ele é um menino! rs – de resto, estamos no mesmo barco!

    É muito foda você se descobrir gostando de uma pessoa que pertence a outro alguém e concordo com você: a pior coisa é desejar que o relacionamento dele acabe para que a gente possa ter uma chance de testar como seria a nossa felicidade ao lado dessa pessoa. Isso é muito egoísta e faz muito mal para nós mesmos! Como você disse, a gente acaba fantasiando tanto que ainda pode acabar descobrindo que o príncipe nem era tão príncipe assim e muitas vezes me pego pensando em quanto eu o exalto além do que ele realmente é e crio falsas expectativas. Não é fácil, meu amigo!

    O que venho tentando aprender – e está sendo muito duro e eu tenho errado muito mais do que acertado e ele é um coitado que tem aguentado meu coração louco de mulher – é a deixar as coisas na mão de Deus, do destino. Nada acontecerá em nossa vida se não for a hora. Talvez, antes de cair nas doces garras desses nossos amores agora platônicos, tenhamos que amadurecer, passar por outras experiências para que, quando os tivermos, saibamos degustar cada momento, apreciar as pequenas coisas, amar sem limites, livre de medo, do nosso próprio julgamento.

    Vamos jogar para o universo e torcer pelo melhor porque ah….a gente merece ser feliz! Disso não tenho dúvidas! Beijos!

    • Exatamente, Paula. Exatamente! Eu procuro pensar assim tb.. que estou amadurecendo, que cada amor, breve ou não, me faz crescer pra quando chegar a hora, seja com ele ou não, eu esteja maduro pra sustentar e desfrutar intensamente de cada minuto.

      Pq nós seremos felizes, ah se seremos!

      Beijo e obrigado por comentar!

  6. olha me desculpa mas…

    q belo filho da puta vc hein? e seu namorado? o pobre e inocente do seu namorado como fica nessa estória? vc nem pensa o quanto vai magoa-lo não é? ficando com ele somente por ficar. devia ser homem e terminar esse namoro pra dar a chance a ele de ser feliz com alguém que o ame de verdade.

    desculpa a sinceridade… mas…
    eu precisava falar…

    • E ah.. essa carta foi publicada agora, mas a história com o tal rapaz é bem mais antiga do que meu quase namoro. Publiquei-a agora pq me peguei pensando nele, mas ele está bem lá e eu aqui..mas é inevitável não pensar nele.

      • não muda em nada o fato dessa estória ser mais antiga q seu namoro, na verdade, apenas agrava a situação porque vc começou o namoro estando interessado em outro. bad, very bad girl, silly.

  7. Todo mundo tem um causador absurdo de borboletas no estômago. Às vezes vc consegue sossegá-las (ficando com a pessoa), e às vezes não (como acontece comigo, bleh!). Lendo esse texto, veio a seguinte trilha sonora nessa minha cabecinha: “since the moment I spotted you, like walking round with little wings on my shoes, my stomach’s filled with the butterflies…” *-* Pode ouvir Silly boy. Why don’t you and I – Nickelback. =D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: