Calafrios num dia de Sol

Ultimamente, tudo parece mais do mesmo. E pior, é um mesmo que não me agrada.

Talvez agradar não seja o verbo certo que deva usar. A palavra certa é motivar! Eu não me sinto motivado a nada. Um dia eu pareci ter tantas ambições, uma vontade tão louca de atingir meus objetivos. Hoje eu sou só isso, essa casca, tentando me encontrar numa multidão de mais do mesmo. Acordar cada dia e passar pelas mesmas coisas tá tão chatinho.

Mas, dizer que estou tentando me encontrar, significa dizer que me perdi. Eu não me perdi. Não teve uma mudança radical que me fez enxergar nada diferente.

Será que mudei? Por que mudei? Pode ser que, sem querer, eu me fechei. Mas também não sei por que me fechei.

Sempre acreditei na vida como uma oscilação compensativa. Para cada pico positivo, é necessário que haja um tombo, uma queda, um vale negativo. Só que dessa vez tá estranho. Eu não to conseguindo sair do vale. Quer dizer, até estou. Mas a sensação de estar lá embaixo é que não vai embora. E incomoda muito!

Falta alguma coisa para vir e balançar tudo; me tirar da zona de conforto, me fazer esforçar, me fazer conquistar. Talvez assim, e só assim, reacenda aquela vontade louca de ganhar, companheira, que eu deixei escapar.

Disseram-me: “você só está numa fase mais quieta, analisando, de longe. Observar é ganhar alguma maestria sem necessariamente se machucar na prática”. Mas foi por olhar cada machucado e desejar que sarasse que eu tive forças pra prosseguir por cada etapa; por que não funciona da mesma forma agora?

Assim sigo, portanto, observando. E aprendendo que aquele que observa, também sofre. Mas a esse sentimento, só o tempo me dirá ao errante o que está por vir.

Anúncios

Sobre The Believer

Me dá um copo de bebida e coloca minha batida eletrônica. Pronto. Me soltei. Estudante das exatas, cheio de compromissos com a faculdade durante o dia, livre durante a noite (a quem interessar). Libriano (com um ascendente perigoso e bem influente em escorpião), poliglota até que se prove o contrário. Pop, rock clássico, melódico, indie rock, black music, mais pop. Acredito no melhor das pessoas, que existem figuras incríveis ainda para conhecer, situações inesperadas para viver, e no meio disso tudo, ser feliz.

Publicado em maio 26, 2012, em Pensamentos, The Believer. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: