Arquivo da categoria: Pensamentos

O amor? Acabou.

Trilha:

 

Ah… se soubéssemos lá no começo como isso ia acabar, talvez tivéssemos agido diferente. Talvez tivéssemos sorrido mais, beijado mais, feito mais sexo. Talvez teríamos sido mais amigos, companheiros. Talvez tivéssemos nos sufocado de tanto amor.

Eu era o amor da vida dele. E, do jeito que veio, se foi. Ponto. Acabou.

Como viver agora sem seu beijo de boa noite? Como acordar no meio da noite e não ter seu cheiro, sua respiração, pra me acalmar? Como olhar o celular de um em um minuto só pra ver se tem alguma mensagem nova sua, com qualquer coisa, que me faça sorrir?

Acordo em um dia e me sinto bem, como se já houvesse superado tudo. No minuto seguinte, vem aquela angústia, aquele nó na garganta e a vontade de falar com você.

Vontade de te ligar e dizer: “esquece tudo isso, volta pra mim, eu te quero, eu te amo”. Mas isso não vai acontecer.

Dizem que amor não se implora. Amor se dá sem esperar nada em troca, pelo simples fato de que é um multiplicador e no nosso caso, já estávamos nos dividindo.

O tempo hoje é meu maior aliado e meu maior inimigo. Já podemos pular para a parte que me sinto bem comigo mesmo, sem precisar de alguém? “Não”, responde o tempo. E eu me encolho mais no meu casulo particular, onde todas as lembranças me esmagam de forma assustadoramente eficaz.

E assim fico, encolhido na escuridão de meu próprio ser, na espera que a tempestade acabe e o Sol volte a brilhar.

Anúncios

Amor é incompreensão

Como é possível reconhecer um amor sincero e duradouro de uma paixão que logo, logo se esvai?

Por Diana Corso

Quando se ama, o pior inimigo não é, como dizem por aí, o costume. Ele pode ser traduzido em intimidade, à guisa do elogio. A rotina pode ser deliciosa, porto seguro da alma, lugar onde ancorar a salvo do medo. A mesmice do outro não é chatice, é repouso.

A duração de um amor não esbarra nisso, é a idealização das escolhas que a abala. Somos tolos como insetos em volta da lâmpada. Ficamos trocando de parceiro, renovando a expectativa de algo maior, relançando as apostas num encontro absoluto. Balela. Amar é combater o desencontro a cada dia. Escute Clarice Lispector: “Pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente”.

O convívio não destrói o mistério, pelo contrário. Viver uma vida toda ao lado de alguém é resignar-se a não decifrá-lo. Não nos saciaremos um no outro. Ele nunca chegará a nos pertencer definitivamente. Um rio separa os amantes, travessias são possíveis, mas as margens não fundirão.

Gulosos, consideramos que a felicidade seria fazer-se um: queremos mais do que encaixe, o objetivo é zerar a distância, virar uma só laranja. Nesse caso, melhor casar com o espelho ou seguir em busca desse par perfeito, pulando de promessa em promessa, procurando no amor o tesouro escondido da felicidade.

O problema é que o Amor e a Felicidade sofrem da mesma sina. São inflacionados, acima de tudo incompreendidos e costumam não ser reconhecidos quando estão presentes em nossas vidas. Por natureza, eles são discretos, deixam-se estar, dispostos a um bom papo, uma tacinha de vinho. Mas em geral são ignorados. Depois de um tempo, partem incógnitos. Os que não souberam reconhecê-los sequem têm motivo para lamentar por isso. A ignorância os protege.

Já a Paixão e a Euforia nunca passam despercebidas. Causam furor quando chegam. São barulhentas, jogam confetes em si mesmas e somem sem que se saiba quando foi que a Ressaca tomou seu lugar.

Os amantes ingênuos são mais afeitos ao estilo destas últimas. Como num parque de diversões eterno, ficam em longas filas, na chatice da espera, para viver instantes de vertigem. Prefiro gastar meu prazo tomando um vinho com a Intimidade. Essa é mais próxima da Felicidade. Acho que nunca terminarei de comemorar a permanência do amor como um presente que recebo a cada dia. Um pacote de presente que nunca abro.

O mistério de seu conteúdo faz parte da felicidade de tê-lo em mãos.

ws_Love_Gift_1600x1200

Meu menino

Meio ano. 6 meses. 182 dias. 4368 horas. 262.080 minutos.

Quando ele desceu da moto, tirou o capacete e veio ao meu encontro sem jeito, eu senti que ele podia ser o cara. Já tinha esse sentimento quando pela primeira vez perguntou se podia me chamar de “seu menino”.

Mas o seu sorriso e sua risada me conquistaram no momento em que demos o primeiro beijo dentro do carro. Foi desajeitado, como todo primeiro beijo é, mas consegui ouvir os sinos tocarem.

“Por que não me manda uma mensagem?”, pensei algumas horas depois do nosso encontro. Do outro lado, ele questionava o mesmo. E foi assim, de modo leve, que nosso relacionamento começou.

Planos eram feitos e a intensidade foi tomando conta mas de um jeito tão gostoso que não assustava. Foi bonito perceber que o sentimento crescia de forma equalizada entre nós dois.

F

E como num piscar de olhos, seis meses. Parece que foi ontem que começamos a namorar. Mas sinto que já o conheço há mais de uma vida.

Meu namorado, meu companheiro, meu melhor amigo. O que seria dessas fases turbulentas que atravessei sem ele? Sou do tipo que gosta de estar nos ares, cruzando os céus e voando cada vez mais alto, mas é muito bom saber que no final do dia, tenho um porto seguro, um alguém pra quem voltar.

Hoje só posso agradecer por ele ter me escolhido e me fazer o cara mais feliz desse mundo! Nosso relacionamento tem esse quê de agridoce e é nesse sentido, de sermos capazes de aprender com nossos erros e com isso crescer, amadurecer e nos fortalecer cada vez mais que sei que ele é o cara certo pra mim.

Obrigado por ser tudo isso pra mim. Obrigado pelos seis melhores meses. Obrigado por ser o meu amor.

Onde está o amor?

Você está sozinho…Em frente à TV, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha…Triiiiiiiiiiiimmm! É sua mãe… Quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada.

Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase “galinha”, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido, desconfiado, cheio de olheiras…E o amor dá meia-volta, volver…

Por que o amor nunca chega na hora certa ? Agora, por exemplo… que você está de banho tomado, com camisa e jeans? Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana? Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz? Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.

O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi à praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida.

O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa. O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro.

Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito! A primeira lição está dada: “o amor é onipresente”. Agora, a segunda: “… mas é imprevisível”.

Jamais espere ouvir “eu te amo” num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir “eu te amo” numa terça-feira, às quatro da tarde… depois de uma discussão por você ter gostado do filme, e ela não…. e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovada no teste de baliza…

Idealizar é sofrer ! Amar é surpreender ! Amem sempre, pois (não é mera pieguice) tudo passa, no fim, só o Amor permanece!

A minha loucura pode estar em baixo da cama ou em cima do telhado… e eu aqui, sentado calmamente nesta poltrona escrevendo esta crônica…

Autor desconhecido

Recaídas e Certezas

Este último ano tem sido complicado para vir escrever sobre sentimentos, sendo que deles foi o que mais fugi. Me vejo culpando o trabalho, as prioridades, até mesmo os amigos, ou seja tudo que engloba minha vida para não permitir que nenhuma possibilidade surja.

Eu sei o quanto soa triste isso, mas sei também o quanto sofri para ficar assim, total e completamente, perdida. Só para imaginar o grau da situação, até algumas horas atrás eu pensava que talvez, quem sabe, eu poderia ficar com um homem dessa vez, de uma maneira seria, constante, quem sabe pensar em filhos de uma maneira mais ‘normal’.

A quem quero enganar? Só a mim, neh? Como posso cogitar, mesmo que por um segundo, passar o resto da minha vida sem um toque feminino? Não seria eu! Seria uma versão distorcida de uma felicidade utópica e ‘sem’ preconceitos.

jigsawheart

Também,  praticamente, um ano longe de qualquer envolvimento físico/sentimental com alguma mulher, o que mais eu poderia esperar? A carência nos cega, mas faz perceber que não vou conseguir ocupar o espaço que falta no peito com o trabalho ou com os amigos, eu sinto falta de uma mulher que me faça sorrir apenas por me enviar um smile por sms/whats/viber.

Será que chegou a hora de abrir as portas para as oportunidades novamente??? Um ano é tempo demais para colar os pedacinhos e visualizar a peça que sempre faltou. E dessa vez de uma maneira mais madura para não ter menos chances de me enganar com uma peça que não encaixe completamente!

Então assim começo esta minha auto avaliação antes de mais um ano se concluir em meu tempo! E como pedido para meu novo ano: Universo, esta na hora de me ajudar com a peça que falta, sinto falta da felicidade romântica de amar!
😉

Procuro alguém

Procuro alguém que eu possa contar. Que saiba a importância de segurar minha mão e de me abraçar quando eu precisar. Que saiba me escutar, mas também falar o que é preciso.

Que saiba sentir o que eu sinto, o que eu penso, o que eu quero. Que seja uma ótima companhia até para os programas de índio que eu inventar. Que sempre veja algo positivo em mim, mesmo quando eu não seja capaz de fazer isso.

Que me apoie, tanto nas decisões mais difíceis quanto nas mais fáceis, como quando eu não sei qual molho do Subway escolher.

Que seja o namorado mais perfeito do mundo porque sabe, acima de tudo, ser meu amigo. Meu melhor amigo.

Talvez eu não precise procurar mais. Porque o melhor de tudo é que eu já encontrei esse cara.

Mais amigos ou melhores amigos?

Quando eu era mais novo, eu era taxado de seletivo por ter poucos amigos. Quando me questionavam o por que, eu dizia que era porque preferia qualidade a quantidade. Me pergunto onde me perdi para deixar de pensar desse modo.

Hoje conheço várias pessoas, mas não há um ser para eu dizer que é meu companheiro. Aquele amigo que topa tudo, que não importa o que seja, está com você, sabe? Estamos muito mais preocupados com nossos próprios problemas e atividades do que com os outros.

Me pergunto onde nos perdemos: quando houve a inversão de valores? Porque prezamos mais o dinheiro e o trabalho do que as amizades e o amor? Sinto o descaso em prestar atenção ao próximo, as vontades, aos anseios. Sinto a falta de vontade de tentar compreender, ceder ou até mesmo, mudar alguns planos para estar junto dos amigos.

Onde nos perdemos?

Falta amor ao próximo, tanto quanto falta amor por si próprio.

O amor que não existe

Eu utilizo muito meu tempo lavando a louça para pensar na vida. Esses dias mesmo, eu estava pensando no amor, em como grande parte dos meus textos é voltado para ele, hora de forma homérica, hora como o vilão causador de todas as dores mundiais.

Caí no pensamento do que eu, você, as pessoas, acredita ser o amor. Queremos aquele sentimento avassalador, que nos tira o fôlego, que nos faz acreditar que precisamos desesperadamente do outro para viver. Percebi que não é isso. O sentimento avassalador é a paixão (que precede o amor) e a falta do outro nada mais é do que pura insegurança e medo de estar só.

Essa história de amor hollywoodiano é apenas uma invenção de algo que ansiamos em ter, mas que não existe dessa forma. A carência e a insegurança nos fazem crer que um dia alguém irá bater na nossa porta e ser exatamente o que esperamos de alguém. Isso não vai acontecer. O que torna as pessoas especiais e únicas são justamente seus defeitos, e, normalmente, são essas características que nos fazem amá-las.

0 (7)

Também cansei de procurar algo para ter posse. O que é meu, o que é seu. Ninguém é de ninguém. Nada pertence a nada. Talvez os relacionamentos tivessem uma maior probabilidade de sucesso se perdêssemos o hábito de ter obsessão sobre quem gostamos. Deixe livre, para que a pessoa queira estar com você por desejo, por vontade e não por obrigação.

Devemos parar de pensar no amor como um ato grandioso e sem escalas. Quando penso nos meus relacionamentos anteriores, o que os fazem especiais são pequenos detalhes que ocorreram, não o geral. E houve amor em cada pedacinho deles.

Por isso, acho que o amor é como a felicidade. Primeiro deve existir dentro de nós, por nós, para que possamos irradiar e trazer pessoas que estejam na mesma vibração para perto. Segundo porque não deve ser pensado como um todo, mas em cada momento. Se eu amar ver o seu sorriso pela manhã, o modo como você gesticula na hora do almoço e seus olhos pesados de sono durante a noite, vou descobrir que te amei um dia inteiro, sem ter que me cobrar e me forçar a isso.

Essa é a mágica de amar. E viva o sentimento!

Talking to the moon

Hoje quando estava indo dormir, coloquei o fone de ouvido e começou a tocar Talking to the moon do Bruno Mars. Na hora meu coração apertou, a respiração parou brevemente e eu senti aquela dorzinha deliciosa de querer alguém.

Quantas vezes na vida eu desejei uma pessoa e por algum motivo não podia mais tê-la ao meu lado? Vários rostos e nomes vieram à minha cabeça.

5984827630_bd25784536_z

Quantas vezes eu olhei para a lua e pedi que me trouxesse de volta aquele alguém que eu tanto queria ao meu lado? Quantas vezes eu tive certeza que aquela era a pessoa certa para mim e que talvez se o destino não tivesse intercedido, realmente teria sido?

Amar muitas vezes dói. Mas em alguns casos, é uma dor que vale a pena sentir. Embora eu não esteja mais junto com esses caras que em algum momento foram a vida da minha vida, os momentos que passamos juntos, com certeza, valeram por toda uma eternidade.

 

Cansei de me divertir com a pessoa errada

Remontando meu quadro de fotos e remexendo em várias outras antigas, vou remexendo no passado, nas pessoas, nas dores, nas lágrimas, nos sentimentos esquecidos, nos abandonados. Como as pessoas mudam. Como EU mudei.

Essa fase de desapego tem me feito pensar demais, e tenho percebido cada vez mais que cansei. Cansei de sempre investir, de sempre lutar pelos meus relacionamentos como se minha vida dependesse deles, lutar pois quando é verdadeiro se luta, não é assim? E é ai que cai a ficha, era verdadeiro, pra mim. Por isso lutei, por isso amadureci, por isso não era egoísta, por isso não proibia nada, e sempre cai, e cada vez o buraco é maior, a dor é maior. Como não cansar?

Saio com meus amigos, e sempre tenho aquela sensação de que não é ali que a pessoa que quero esta, nem a conheço, mas não é ali, e se for, tenho medo de encontra-la agora e eu ser a pessoa certa no meu momento errado.

E todos dizem: ” Você é nova, vai se divertir, beijar muito, transar muito, conhecer novas pessoas, aproveitar sua juventude, são tantas pessoas no mundo, qual a graça de ficar com uma só desde já? Divirta-se com as erradas enquanto a certa é encaminhada pra você.”

EU NÃO QUERO ISSO. Não quero me divertir com pessoas que não são as que me fazem bem, não preciso de noites de sexo por sexo, sem carinho no dia seguinte, e se o tiver mas for de alguém que não faz meu coração acelerar ao receber uma sms no dia seguinte, eu não o quero. Quero AMAR, uma única pessoa, planejar o futuro, me dedicar ao sonho conjunto, enlouquecer por que trabalho demais e não tenho tempo, planejar um jantar, uma viagem, dormir abraçada, brigar por besteira e abraçar com força por que odeio brigar com ela.7

Eu sempre soube que nasci pra ser de uma pessoa só.

Mas cansei. Cansei das ‘regras’ de sedução de hoje, cansei de ir em lugares que percebo que tudo gira em torno do sexo. Ai dizem ” Mas o amor pode nascer de uma noite de sexo”. E a minha resposta? Não em mim!

Um dia passa, um dia termino de colar meu coração e quem sabe ai não conheço alguém por quem vale arriscar tudo de novo?

😉