Arquivos do Blog

Texto muito interessante !

Pessoal, tudo bom ?

 

hoje não falarei muito, sei que estou sumido, mas prometo voltar com novos bafos !

 

Por hora quero dividir aqui um texto que encontrei na internet, muito interessante, que trata de assuntos como relacionamento, relações, sexo e HIV. É em inglês, mas vale a pena o esforço e a leitura…

 

espero que vcs curtam tanto quanto eu 

 

Aquele bjo 😉

 

Link: http://gawker.com/5935651/please-dont-infect-me-im-sorry?post=52079313

Anúncios

Ciúmes…

“Estamos acostumados com a ideia de que, se alguém mantém uma relação com outra pessoal, isso significa que há amor. Mas isso não é 100% verdade. Muitos dos relacionamentos nada mais são do que uma troca de interesses: você me dá o que eu preciso, e eu te dou o que precisa. É aí que o ciúmes entra em cena.

Ciúme quer dizer EGO FERIDO. É o sentimento que surge quando não nos sentimos no controle da situação. Sentimos ciúmes quanto achamos que possuimos alguém – e acredite, essa é uma grande ilusão. Você pode controlar a pessoa de todas as formas do mundo, mas nunca vai conseguir possuí-la de verdade. E, por mais que fique paranóico seguindo todos os passos do outro, se ele quiser, vai te trair em um lugar tão improvável quanto no caminho do banheiro em um bar.

Certo. Mas é possível não sentir ciúmes? Acredito que não. O ciúme é um sentimento instintivo nosso, como raiva, ansiedade, nervosismo. Depende de nós escolher o que vamos fazer dele – dominá-lo ou sermos dominados. A mente mente e o ciúme nos faz enxergar claramente coisas que não existem.

Então, sua tarefa de hoje é trabalhar a seguinte ideia na sua cabeça: Quem ama, deixa livre. A única coisa que pode fazer para que a pessoa não te traia, é trabalhar TODOS OS DIAS para manter um relacionamento muito completo e feliz, cuidando para que não falte nada – quem está totalmente satisfeito não vai procurar outra pessoa para tapar os buracos. Essa é a sua única garantia.”
(Texto do Blog Casal Sem Vergonha – http://www.casalsemvergonha.com.br/2011/05/06/8a-missao-aprenda-a-controlar-o-ciume-plano-de-acao-para-desencalhar-e-ser-mais-feliz/)



“Eu sinto ciúme quando alguém te abraçaporque por um segundo essa pessoa está segurando meu mundo inteiro.” ( Caio Fernando Abreu )


E vocês o que pensam sobre ciúmes?

 

😉

Porque construir a vida com alguém?

“O mundo hoje em dia é tão agitado e gira numa velocidade tão assustadora que por vezes dá um pouco de medo entrar nesse universo tão dinâmico. Talvez por isso as pessoas se unam em casais e formem sociedades afetivas, para que ao invés de dois, possam colocar quatro pés unidos nessa engrenagem maluca que é a vida. É que quatro dá uma ideia de equilíbrio maior a primeira vista, como se em algum momento aquela freada mais brusca ou aquela acelerada repentina da vida pudesse desestabilizar o duo que sustenta nossos corpos no chão, mas ainda assim houvesse mais um par sólido de base em que as pessoas se permitissem ancorar até se reerguerem novamente. Parece mais fácil assim. E de fato é.

E hoje eu acordei achando lindo essa história de escolher alguém pra construir a vida com a gente. Sim, construir, uma palavra extremamente forte e de igual valor. Porque atualmente todo mundo quer tudo de graça, fácil, de mão beijada. Ninguém quer construir nada. Passar pelas etapas fundamentais de montagem da base que sustentará toda a estrutura, a preparação da massa, colocar tijolo por tijolo divididos por uma sólida camada de cimento, até erguer um patrimônio único, de invejar os maiores arquitetos e engenheiros. Não, o mundo hoje é das facilidades. É a garota que deseja “laçar” um empresário de sucesso, regado a carros do ano e viagens internacionais nas férias, e o mesmo empresário que sabendo dessa ambição se permite escolher e exibir as mulheres que deveriam ser suas companheiras como apenas um corpo b onito ao seu lado.

Talvez soe meio conto de fadas, mas eu me permito ser a princesa vez ou outra na história que eu decidi escrever pra mim. Escolher alguém pra construir a vida com você, pra ser mais que seu namorado (a), noivo (a), marido (esposa), mas pra ser sua base, sua plataforma de sustentação quando a maquinaria da vida começa a se mover de forma muito rápida, é algo simplesmente LINDO. É você dizendo não importa quantos moinhos teremos que mover pra chegar lá, não importa quantos ventos teremos que enfrentar sem abrigo, não importa quantas vezes teremos que colocar aquele mesmo tijolo naquele mesmo lugar….eu estou aqui pra você. É dar um passo extra, quando a pessoa ao seu lado só consegue oferecer as mãos dadas para sempre.

É esse império que gostaria de deixar aos meus filhos um dia. Quero que eles possam dar valor ao momento e saibam desfrutá-lo com toda garra e paixão inerente da jovialidade. Que possam escolher um amor simplesmente pelo amor, sem “mas”, “poréns” ou parênteses. Que saibam construir. Porque o mais puro êxtase, vem de conseguir olhar pra trás e ver que de um terreno vazio e infértil, nasceu uma estrutura sólida, firme e inabalável. E o melhor de tudo, poder olhar para o lado e ter a certeza que sozinho você não teria chegado aonde chegou.

Hoje eu só desejo que saibamos escolher e acima de tudo, que sejamos sábios e corajosos o suficiente para de fato fazer as escolhas necessárias. Ás vezes é preciso abdicar de colocar dois pés em direção a caminhos claros e certeiros, para poder colocar quatro pés em trilhas misteriosas. Que para cada dia sem dinheiro, para cada mês sem conseguir viajar para ver o namorado, que para cada emprego árduo, haja dez vezes mais amor e garra para compensar isso tudo. Porque no fim, quando o emprego dos sonhos estiver em mãos, a casa estiver mobiliada, o carro for comprado, é que a gente se dá conta de que construiu muito mais que uma vida, mas sim, uma base de amor que tempestade nenhuma é capaz de derrubar.

O mundo é enorme e cheio de esquinas. Que a gente dobre cada uma delas com essa sede incrível de construir e que numa dessas curvas encontre alguém cujas vontades coincidam. E que se construam vontades. Se construam, e só…”

By Danielle Daian

Nada nessa vida a gente ganha de mão beijada, até porque tudo que vem fácil a gente não da valor. E no amor isso não é diferente!
Vamos construir, tijolo por tijolo, degrau por degrau, só assim para ter um amor duradouro, uma relação madura e alguém para ser nosso porto seguro!

Beijos e boa construção para todos!!! 😉

Será mesmo que o próximo pode ser melhor?

Eu tenho uma teoria que se encaixa perfeitamente em vários aspectos da vida, mas que faz muito mais sentido quando aplicada à relacionamentos: a teoria de que que o próximo pode ser melhor.

É bem simples de entender.

Suponhamos que você esteja com alguém, vocês estão se curtindo, mas ainda não estão completamente apaixonados. Você gosta do relacionamento, mas não tem nada de tão especial assim que te faça lutar ou insistir nele. Enquanto estiver rolando, ótimo e caso acabe, ninguém vai entrar em depressão.

Eis que o cara comete um pequeno deslize. Uma falta, seja ela grave ou não. Inconscientemente o relacionamento perde força, você fica mais desanimado e começa a pensar: enquanto estou com ele, perco a chance de estar com outra pessoa que pode ser melhor do que ele. Quem sabe mais bonito, mais alegre, mais gostoso, mais compreensivo, mais simpático, mais preocupado e mais “n” coisas.

É exatamente nesse momento que a teoria faz sentido.

Afinal, o próximo pode ser melhor! O próximo sempre pode ser melhor. Então, pra que ficar com esse que não está tão bom assim?!

Muitos de nós damos razão a essa teoria e acabamos terminando o relacionamento, na espera do tão “perfeito” próximo. O problema é que isso vicia e o próximo, nem sempre é melhor. E se ele não for, o próximo, depois dele, ainda pode ser.

Resultado? Ciclo infinito de próximos. No fim, a gente teve 21313445 relacionamentos e todos acabaram porque o próximo poderia ter sido melhor e não foi.

Relacionamento bom, seja ela duradouro ou não, é baseado na maturidade. Se os dois não forem maduros pra se relacionar, a teoria vai fazer muito mais sentido pra eles. Se ao menos um dos envolvidos estiver maduro, ele vai saber lidar com as instabilidades do outro e, juntos, eles trabalharão pro relacionamento dar certo.

Ao invés de viver nessa realidade utópica do próximo, é muito mais fácil aceitar e aprender a conviver com os erros, defeitos e características do outro. O tempo, só o tempo, é capaz de ajeitar e encaixar as coisas.

Resumindo, antes de terminar seu relacionamento e de não dar chance pra ele dar certo porque o próximo pode ser melhor, pare pra pensar e continue com ele. O tempo vai mostrar onde você deve mudar e onde ele deve mudar.

Só assim a gente cresce e amadurece.

Relacionamento a distância: pode dar certo?

Você, enfim, encontrou um cara legal. Ele é lindo, charmoso, tem pegada e um ótimo papo. O beijo encaixou perfeitamente e vocês se deram muito bem na cama. E o principal, ele também gosta de você. Só tem um probleminha: ele mora em outra cidade. E agora, Arnaldo?

Estou vivendo exatamente esse dilema.

Tenho certo pavor de distâncias. Não gosto de ficar longe de quem eu amo, sou daqueles que se fico sem ver meus amigos por uma semana, quando os vejo, dou aquele abraço de urso como se tivéssemos ficado longe por 1 ano inteiro!

Sou carente também, o que torna as coisas um pouco mais difíceis.

Observo muito a vida das pessoas e, principalmente, seus relacionamentos amorosos. Uso os relacionamentos dos meus amigos como cobaias para as minhas teorias malucas, que muitas vezes, tem fundamento lógico.

Alguns me dizem que a distância pode ser um grande empecilho dentro do relacionamento, pois as cobranças, as brigas e tudo mais podem aumentar drasticamente, fora o fato de que muitos casais deixam de viver enquanto o outro não está presente.

Tem gente que diz que é ótimo, pois você não abre mão da sua liberdade, pode estar sempre presente com os amigos e quando está com o parceiro, se dedica 100% à ele, sem afetar nas suas outras relações.

As duas posições são reais, o que só faz aumentar ainda mais os meus anseios.

Só o tempo vai dizer se me encaixo ou não na realidade de “namoros a distância“. Por ora, só sei que, por mais legal e divertido que forem os passeios e as saídas, eu não estarei completo, pois vai faltar a presença dele.

Eu sei que posso sobreviver a isso! Vou encarar do melhor modo, como sempre faço tento fazer. A distância vai ser boa e não vai ser motivo de briga e sim de proximidade e intimidade, afinal, vamos ter que aproveitar o tempo juntos da melhor forma e não é brigando.

Seus pés nos meus …

A cama não seria tão vazia, o frio não me faria tremer, e muito menos os sons da rua invadiriam meu quarto. Quando poderia pensar que aquela sensação tão intima e tão refugiadora faria de mim amante, mulher, esposa, louca, apaixonada, deslumbrada pelo brilho no olhar e pelas palavras que dançam em meus ouvidos ao sair de seus lábios. 
Me deito novamente, olhando para as estrelas do meu céu particular, pensando em tudo, nos detalhes, nas minúcias, nas risadas, nas lagrimas, na saudade insistente que não passa nem com a presença. Penso em cada sorriso de meia boca, nos olhares de aprovação e por vezes que desaprovaram. Penso, e entendo o motivo de meu coração ter medo na ausência.
Fecho e abro os olhos, e procuro na memória aquele momento em que nossos corações bateram no mesmo compasso, e continuaram assim, aquele momento da primeira noite que os corpos se tornaram um, sem deixar a cabeça interferir. E os pés, eles sim, que me encontram todas as noites que dividimos a mesma cama, sem cócegas, sem sensações estranhas somente encontrando os meus e aquecendo minha alma, acalmando meu coração preocupado.  
Como é possível amar assim? Me pergunto todos os dias… amar as minúcias, as entrelinhas. Diferenças todos temos, caso contrario não teria visto em você qualidades que não possuo, e que nem sei se sou capaz de um dia conquistar. Amor simples e intenso, sem preconceitos ou duvidas. Amo! 

E mesmo com a cama vazia e o pé e alma frios, fecho meus olhos e durmo sem você, mas amanha é outro dia e terei seus pés nos meus…

😉

Lá e de volta outra vez

Não, não vamos falar de “O Hobbit“, que aliás, amo de paixão. Vamos falar do assunto de sempre, sentimentos e amores.

Então, por que o título “Lá e de volta outra vez“?

Quem vem acompanhando o blog a algum tempo sabe que eu estava em um pseudo relacionamento com um rapaz que conheci através do Facebook. Já falei sobre esse relacionamento aqui e aqui.

A questão é, this relationSHIT is over. Como sempre, eu me envolvi rápido demais e a pessoa em questão estava comigo para tapar um buraco em seu coração. Ele ainda pensava no ex-namorado e achava que comigo iria esquecê-lo. Enquanto eu estava indo atrás dele, procurando dar sentido a algo que no fundo eu sabia que não teria sucesso, ele correspondia de forma carinhosa e doce, mas foi só eu deixar uma janela se abrir que ela virou uma estrada de 200km de distância entre nós.

Acabou assim, do nada. Simplesmente por que não nos falamos mais. Um dia de distância virou dois, dois viraram três, três uma semana e daí pra quinze dias foi um pulo. QUINZE dias sem se falar ou se ver. QUINZE dias sem imaginar o que estava acontecendo e com aquela sensação de estar preso a algo que eu, melhor do que ninguém, sabia que não existia.

Me senti mal. Fiquei tentando entender o por que do sumiço dele e não encontrava respostas. Se você pensou agora “mas, The Silly, você poderia ter ido atrás dele logo no primeiro dia”. Eu te respondo, o último contato dele foi um sms pedindo pra eu esperar um retorno de quando ele estivesse disponível pra gente se ver. Fiquei esperando quinze dias por essa resposta e nisso, resolvi fazer o teste do quem-manda-sms-primeiro. O teste deu tão certo que acabou com o relacionamento.

Depois de ter enfim aceitado o fim iminente do nosso relacionamento, resolvi finalizar de verdade. Não consigo deixar as coisas assim, ao vento e sem explicação. Mandei uma inbox pra ele contando o que estava sentindo e tirando o meu time de campo. Ele me respondeu carinhosamente, agradeceu por eu ter entendido e por não ter mágoas dele.

Assim, acabou ~mais~ um amor breve.

Realmente, não guardo mágoas dele. Como eu sempre digo – e esse é meu lema – por mais dura, cruel e fria que uma situação possa ser, ela sempre vai nos ensinar algo e nós sempre saímos mais fortes dela. Eu posso dizer, com toda certeza, que eu cresci e aprendi muito com ele. Sou mais forte hoje do que era quando o conheci.

Estive (em um relacionamento) e estou de volta outra vez (à vida de solteiro). Continuo, assim como os personagens de “O Hobbit”, atrás do tesouro perdido, que é o amor.

E, acreditem ou não, eu vou encontrar.